terça-feira, 19 de maio de 2015

Internet e a queda do Antigo






Nos hábitos cotidianos, Internet e as redes sociais supõem uma mudança de maior transcendência do que em sua época representou a máquina a vapor. Equivale as mudanças da Idade Média para Idade  Moderna em pouco mais de duas décadas

  
As pessoas, a proporção  que envelhecem, tende a comparar o mundo presente com a de sua própria juventude. “Quando eu era jovem…”. Em geral, uma realidade mais positiva do que a conhecida pela juventude atual: antes havia mais seriedade, mais consciência, mais educação, etcétera. E quando a evocação é negativa —a guerra, o pós-guerra, os rigores do sistema educativo de então—, o fato de tê-la superado a converte em um triunfo pessoal. O resto, não passa de curiosidades para amenizar a tarde, tanto mais chocantes quanto mais remotas: apenas havia carroças, o Atlântico só se cruzava em navios, etcétera. Curiosidades que tem sido alterado de geração em geração ao longo dos últimos 200 anos.

Claro que às vezes as mudanças são mais bruscas, e a isso responde a tradicional divisão da Historia em Idades.

Com tudo, no curso do século passado , essa sucessão de mudanças, essa constante evolução perfeccionista tanto no bem quanto no mau era parte da mesma. Havia um progresso social e econômico interrompido de vez em quando por uma revolução ou uma guerra, e a técnica não deixava de incrementar suas aplicações, desde o avião a jato até o ar condicionado ou o refrigerador. E  essa evolução nos âmbitos mais diversos era o que demonstrava os avós aos seus netos:as diferenças entre o ontem e o hoje. Fatos que hoje aos menores de 20 anos lhes parecem pouco menos que irrelevantes, simples aspectos desses mesmo antes mencionado. E isso , em pouco mais de duas décadas,a realidade circundante parece haver se diluído em seus contornos. As crises econômicas e financeiras se produzem quase sem saber como por mais que se lhes busque um referencial concreto. As guerras entre blocos tem acontecido ,os enfrentamentos entre milícias de difícil identificação. A classe obreira tem sido substituída por simples trabalhadores e os títulos universitários não tem feito senão perder destaque. Os Estados se assemelham cada vez mais a uma empresa e as empresas, a um Estado. Avançamos para um mundo fluido, de consistência turva, em contraposição  à firmeza dos blocos enfrentados tem somente pouco mais duas  décadas. Uma realidade em que a única referencia válida acaba por ser Internet. Só que a Rede, e em especial as redes sociais que propicia, não é o espelho em se reflete se visualiza essa mudanças ,senão uma realidade estreitamente ligada a origem de tais mudanças.

A diferença de outros inventos, a Rede estabelece uma relação íntima com o usuário

E de fato, a consolidação total da Internet e das redes sociais supõe, na vida e nos hábitos cotidianos, uma mudança de maior transcendência que em sua época  se supôs da máquina a vapor ou o motor a explosão ,na medida em que afeta diretamente a sociedade considerada e seu conjunto, individuo por individuo; na medida em que esse individuo interioriza seu uso de forma similar a como se pode assumir uma ideologia ou una crença religiosa. Algo não comparável, por exemplo, a ter um automóvel ou a viajar de trem, avião ou navio; nem sequer ao ato de dar a um interruptor e que se acenda uma luz, uma luz que ilumina o entorno mais imediato de quem a tenha acendido. O próprio da Rede é a sua capacidade de introduzir-se em todas as variáveis da vida do individuo, de cada individuo. E essa mudança, que por seu caráter generalizado produz nos hábitos sociais criando assim um antes e um depois, da origem a começar a pensar que talvez nos encontremos ante uma mudança  de Idade similar ao que se criou no Renascimento, no espaço entre a Idade Média e  Moderna.

A importância dos hábitos sociais, de uma mudança nesses comportamentos é, a este respeito, decisiva: quando se produz, na vida das pessoas é outra. E é que, relação a outros inventos, a Rede estabelece uma relação íntima com o usuário fato que, cada vez que este entra na Rede, seja para resolver um problema ou tirar uma dúvida ou quem sabe  por puro prazer , reciprocamente , ela entra no usuário tocando ou afetando seus pontos mais sensíveis, trazendo-lhe ou configurando-lhe  um caráter, um perfil —costumo dizer—, ao tempo que oferece aos outros, ao mundo intero, a possibilidade de que o conheça tal qual é ou como queria ser. Algo que não ocorre , como dizíamos, a quem  compra um novo automóvel, por ilusão que tenha  que conduzi  um modelo de tal marca; nem empreender um vôo intercontinental, para não falar do trem ou metrô . Para o usuário —e ainda que este não seja consciente disso—o mais estimulante em utilizar a Rede é a possibilidade de ser único.


O epicentro desse é o selfie ou, melhor dizendo,o intercambio de selfies. Uma postagem que  começa com o propósito exibir sua atividade cotidiana ao tempo que recebe as dos outros, termina compelindo a agir e tal qual ,sem nenhum outro objetivo senão expor esse intercâmbio de selfies

Assim, quando as férias, ao empreender uma viagem, o que menos importa é a viagem em si mesma, e sim , as peculiaridades dos lugares que se visita. O importante é poder ir mandando imagens dessas peculiaridades ou curiosidades as que vão se acendendo, de forma que as idéias engenhosas que as tais peculiaridades possam suscitar ainda que pouco ou nada tenham a ver com a viagem . Lugares ou monumentos famosos junto aos que se  fotografam. Ou as dificuldades  de um cruzeiro marítimo. Ou de um hotel dos sonhos em uma ilha paradisíaca. Ou de um imprevisto qualquer do mais chocante. Mais que o aproveitamento do fato em si,o que interessa é  o processo resultante da integração própria de um chat. O resto nada mais é do que uma obra de teatro:o cenário
O epicentro é o  de ‘selfies’, é a  postagem,é  a dar a conhecer a sua atividade cotidiana
A repercussão dessa mudança  radical nos hábitos sociais terminará afetando a todos os aspectos da vida cotidiana. No momento, os mais perceptíveis se revelam no âmbito mais midiático da realidade circundante. A imprensa, os livros, as salas de cinema. E então:Por que ir ao cinema, por exemplo? Ir até lá,submeter-se a filas ,comprar entrada , conseguir um lugar aceitável … Não é muito mais prático e fácil baixar o filme  ou alugar? E quanto a imprensa e os livros?Por que submeter-se a essa tarefa de ir passando páginas e mais páginas? Ou seja que se fechem cinemas e livrarias ,pois que se fechem!

Por sorte, desde a época dos papiros ao livro atual, a leitura, acompanhada as vezes da imagem, tem ultrapassado todas as Idades, adaptando-se sempre seu formato às características do momento. E o que nunca foi uma escolha majoritária ,permite-nos pensar que vai continuar subsistindo,a margem de tudo isso nessa versão digital.Por algo que é uma escolha ou afinidade minoritária.Como a caça o a pesca ou xadrez.Isso se quando se conte a uma criança como era o mundo há pouco mais de duas décadas não poderá entender o que as pessoas faziam sem a rede



Luis Goytisolo.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Da Fofoca






"Não se deve coibir o hábito, pois é bom para sua saúde!", diz um novo estudo sobre a fofoca.



O ato de manter um segredo exerce não só um  reserva emocional, mas também danos físicos, mostra o estudo. Mantendo um segredo é semelhante ao carregar peso físico que pode minar  sua energia.

"Estando preocupado com um segredo no trabalho pode ser desmotivador", disse Michael Slepian, professor assistente de negociações na Columbia Business School, de Nova York e co-autor do estudo.

"A carga de sigilo pode tornar as coisas em torno de si, parecer mais desafiadora e se se é menos motivados para fazer face a estes desafios, o  desempenho pode comprometido", Slepian observou.

Um segredo pode ocupar a mente e quanto mais se pensa sobre isso,  mais   recursos pessoais , intelectuais e motivacionais usa-se,diz, Daily Mail.

Para o estudo, os cientistas realizaram uma série de experimentos para avaliar o efeito segredos teve sobre a capacidade de um indivíduo julgar a inclinação de uma colina.

Ao contrário do que se pensa sobre a suposição de que as mulheres não podem esperar para revelar o segredo está errada,na verdade são   os homens que os primeiros a cometerem tal  atitude Graças à mídia social, os homens  mal podem esperar para encontrar seus companheiros no pub e  compartilhar um segredo  confidenciado ,em menos de  três horas.

Embora quase metade dos homens admitam que  transmitem a confidencia  em poucos minutos o que ouviu,enquanto  as mulheres podem mantê-lo para si mesmas, por horas ou dias,  antes de passá-lo adiante

"Este é o mesmo tipo de resultado que vemos quando as pessoas estão carregando fardos físicos, ver o mundo como mais desafiador, proibindo e extremo", Slepian apontou.

-Original aqui:
http://indianexpress.com/article/lifestyle/life-style/gossip-with-your-friends-for-good-health/


Fofocar, Coscuvilhar, bisbilhotar, mexericar, bilhardar ou em outros idiomas ,como: pettegolezzo,gossip,potins reflete a universalidade humana do comportamento mal intencionado,nessa ação da psicologia da fofoca que evidencia,tanto individualmente como socialmente o comportamento ,muitas vezes nefasto,  dos que falam e sobre o que falam,sem nenhum freio e sem medir nenhuma consequência, mostrando-nos que é muito fácil lançar palavras desdenhosas ao vento.Mas que uma vez lançadas é   difícil recuperá-las .Existe um pensamento italiano que diz:” As fofocas são criadas pelos invejosos,repetidas pelos crédulos e acreditadas pelos tolos."

Na maioria das vezes é preferível não tomar conhecimento de tais  histórias para não ter que passá-las adiante ou carregar um peso morto.É  melhor agir de acordo com o pensamento socrático e passá-las pelo “crivo das três peneiras”. Pois, como diz um dos postulados do estudo o ato de carregar algo segredado, assemelha a um peso físico,além de ser um entulho desnecessário a ocupar um espaço, nos nossos cérebros, que poderia ser destinado para coisas mais  úteis e valiosas.Esses  segredos nos abate e nos curva ,e quanto mais o mantemos pior fica.Daí deriva a idéia do confessionário,que alivia o sentimento de culpa,ou das sessões das análises psiquiátricas, que exerce o mesmo efeito ,só que por essas temos que pagar.É mais fácil segredar para os cabritos,como faziam os antigos judeus:Expiando as suas culpas.Na maioria das vezes aqueles que usam de tais expedientes falando-nos dos outros ,são os mesmo que para com os outros ,falam de nós mesmos.É preciso temer as línguas ferinas e a sua peçonha,já nos advertiam os antigos:Terribilis est locus iste.É preciso temer o efeito terrivel da peçonha.Embora a frase latina esteja aplicada em muito dos frontispícios das Igrejas  e se refira as portas do céus e que infunde respeito.Porém,é preciso que se tema as cloacas das víboras,pois elas guardam ovo da discórdia.


Existem muitos que usam de tais  expedientes  para expressar alguma coisa comparativa ou  relatar do que ouviu,mas sempre diz,como  cura de aldeia :”conta-se o pecado e não pecador.Pois,assim acreditam que com exposição de tal fato pode usá-lo para corrigir ou fazer reprimendas sem melindrar, sem expor os personagens que tropeçaram na “pedra do escândalo”.
JATeixeira



As três peneiras ...

Um homem, procurou Sócrates e disse-lhe:
- Preciso contar-lhe algo sobre alguém! Nem imaginas o que me contaram a respeito de... !"
Não terminou a frase, quando Sócrates ergueu os olhos  e perguntou: - Espere um pouco. O que vais me contar passou pelo crivo das três peneiras? - Peneiras? Que peneiras? - Sim. A primeira é a da VERDADE. Tens certeza de que o que vais me contar é  verdadeiro? - Não. Como posso saber? - Então suas palavras já vazaram a primeira peneira. Vamos então para a segunda : BONDADE. O que vais me contar, gostaria que os outros  dissessem a teu respeito? - Não! Absolutamente, não! - Então as palavras vazaram,  a segunda peneira. Vamos agora para a terceira peneira:NECESSIDADE .Acreditas ser necessário  contar-me esse fato, ou mesmo passá-lo adiante? Resolve alguma coisa? Ajuda alguém? Melhora alguma coisa? - Não... ?Pensando bem e dessa forma,nada sobrou para contar.
 E o sábio sorrindo concluiu: - Se passar pelas três peneiras, conte!
Todos serão beneficiados. Se não,esqueça e enterre tudo. Será uma fofoca a menos para envenenar o ambiente e fomentar a discórdia

É preciso não esquecer do proverbial conselho:” Pessoas sábias falam sobre idéias; Pessoas comuns falam sobre coisas; Pessoas medíocres falam sobre pessoas.”



quinta-feira, 7 de maio de 2015

Parabola do Tempo






"Algumas das reflexões de Keynes dizem respeito aos eternos monumentos de dignidade e beleza, através do qual cada geração deve expressar o seu espírito para representá-lo na parábola do tempo: são cerimônias efêmeras, espetáculos e entretenimento a partir do qual o homem comum pode obter prazer e divertir-se depois de ter concluído o seu próprio  trabalho, e que faz sentir-se como nada mais pode, pois que ele está em sintonia com  parte de uma comunidade mais refinada, mais dotada, mais radiante, mais despreocupada de quanto ele poderia ser sozinho. 

A nossa experiência tem mostrado claramente que tais atividades não podem executadas totalmente, se  dependem da motivação de lucro e sucesso financeiro.
A exploração e eventual  destruição do dom divino  do homem  com espetáculos que existem para  prostituir o objetivo do sucesso  financeiro é um dos piores crimes do capitalismo de hoje. 
Existe entre nós aqueles que estão imunes as eventuais emoções e apelos que acontecem quando todos param em um lugar para participar de uma festa , uma expressão do senso comum,ou   apenas  para compartilhar com os outros um simples prazer? Estamos convencidos  que essa emoção seja  bárbara, infantil, ou ruim? Eu não vejo nenhuma razão para acreditar.
 A qualquer custo deve existir oportunidades idôneas para satisfazer esta necessidade humana, quase universal, deve ter um lugar importante na arte de governar; e um sistema social que indevidamente o subestima , deve dá-se conta que o faz em seu próprio risco ."

Que naturalmente há de voltar contra si próprio,pois ninguém está incólume ou se situa fora dessa parábola







quarta-feira, 6 de maio de 2015

Renuncia e Fé

Surrender is faith that the power of love can aCCOMPLISH ANYTHING EVEN WHEN YOU CANNOT FORESEE THE out come


A renúncia é a fé  que o poder do amor usa para realizar qualquer coisa,mesmo quando tu não podes prever o resultado
Deepak Chopra

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Diante da Balança





O grande  problema  não está exatamente na balança ou nessa constatação euclidiana do desequilíbrio das massas,mas,está muito mais no jeito com que ela olha, com aquele ponteiro marcando o que nem sempre é o desejável,ou será que é como nós a encaramos?Como Diz Nietzche:”se olhamos muito tempo para dentro de um abismo,o abismo acaba olhando para nós”.Se olhamos o riso,teremos a alegria.Se olhamos o mal,teremos os vícios.Se olhamos o bem,teremos as virtudes.Se olhamos as dificuldades,teremos os fracassos e por aí se vai.Todos os abismos e todos os percalços têm soluções, mais próximas do que imaginamos ,todas as respostas  estão em nós mesmos, pois são o eco das nossas próprias perguntas.O nosso próprio eco.  


 Mas, voltando a balança,pensamos  que tudo tem a ver com a complexa teoria ,sub-reptícia e conspiratória, que atenta contra os bons princípios da sã obesidade, nos propondo de maneira, como se fôssemos compulsivos, a deglutição estonteante de anorexígenos,num sentimento de culpa,por não atentarmos que ela, a balança, que é uma viciada e a isso ela  induz.Ela até parece que  não se conforma em pesar as figuras esquálidas,será ? Ou será que tem algum cordãozinho atado,puxando aquele ponteiro fatídico para marcar mais ...e mais.
Assim,  se queixam aqueles que precisam enfrentar alguma sacrifício gastronômico.

Dizem as más línguas que um certo laboratório na urbe, e que é prática corrente entre muitos,embora não coerente entre  esses, procederem assim:O paciente traz a solicitação de exames para avaliar os glicérides e saber se estão alterados ou não  ou até mesmo qualquer alteração na colesterolemia.Então eles colocam taxas alteradas pra cima, sem sequer fazer o exame,uma mera e simples  alteração que precisa de recomendações e mudanças de postura e “tam tam tam” novos exames para constatação serão solicitados,é óbvio!...Pois bem,o paciente volta ao profissional que solicitou os exames e esses,não estão necessariamente mancomunados entre si e às vezes nem desconfiam(?)de tais procedimentos sórdidos,que ao verem tais resultados  fazem suas recomendações.Passados 30 dias fazem nova solicitação de exame e bingo!:os resultados são decorrentes de  análises executadas de fato e não pró-forma e estão todas baixas e de acordo com o que deveriam ser .

O paciente volta ao profissional que o trata e que de posse dos novos exames avalia e faz ver ao paciente que valeu a pena o esforço,pois o resultados é visível:todas as taxas estão normais.  Ele,o paciente,sai exultante e feliz ,não faz a menor idéia do que houve.
Sabemos de uma caso de um paciente fez a mesma bateria de exames em três laboratórios diferentes em cidades próximas, nenhum resultado era compatível entre si ou próximo disso, a distorção era risível! .

A história do cordão atado no braço da balança é verídico ,quem contou foi o próprio executor ,mas colocando o fato em outro.A trapaça faz parte da personalidade e caráter de cada um que assim age,assim como o bom comportamento e conduta dita o caminho dos opostos .O embusteiro vendedor de galinhas que alteram o resultado final do peso,para ganhar algo a mais,se fosse padre cometeria outros procedimentos semelhantes e igualmente desprezíveis.Se fosse pedreiro,faria o mesmo,roubaria no cimento,acrescentando mais areia.E assim,mais coisas descobrimos a proporção que ouvimos essas histórias do universo humano.
Há quem creia que algumas balanças de farmácias induz ao consumo de anorexígeno,onde o excesso de peso empurra para as pílulas, chás e  sacrifícios...para caber em uma roupa que teima em não servir.

-Tinha uma moçoila que trabalhava em uma academia aqui próximo,bem próximo até,que ao final do mês quando o proprietário da academia pesava cada uma  e  exigia X peso compatível com x altura,e como ela sempre estava acima,  naqueles dias próximos à verificação, ela se empanturrava de lasix para perder peso. Não sabemos onde ela vive hoje ,nem se é portadora de alguma nefropatia, pelo os pecados cometidos,mas independente do assunto,ela procura trapacear o próprio destino,resultando num loop eterno ,até que se dê conta que não é alterando o valor das coisas que terá um bom resultado e sim mudando a si mesmo a fará encontrar um novo caminho...

JATeixeira