terça-feira, 25 de novembro de 2014

Uma história de Amor




Os pais aprendem com os filhos,que aprendem para ensinar aos filhos.

Ela diz:-“com ela, aprendi a andar...”

Muitas vezes, são as estradas que alteram as nossas trajetórias ou o que pensamos serem elas,que ditam os nossos caminhos , que determinam o nosso fado e não o contrário.É como se elas já estivessem pré-definidas e a nós coubesse  unicamente nos conduzir, da melhor maneira,  entre o nosso alpha e nosso ômega .E como dizem:-“cada palavra vã ,cada gesto equivocado,cada conduta ultrajante,será computada e usada contra nós mesmos.Somos livres para procedermos nesses passos e escolhas. E dependendo de como nos conduzimos, teremos um trafegar tranquilo ou atribulado ,em um fim esperado ou repetitivo. Muitos acham que conduzem,quando não passam de  meros “burattinos’dedilhado  pelos cordões invisíveis do “destino”.Existem aqueles  que contestam e acham que tudo podem e dizem:-“posso me sentar e esperar”.Quando na verdade se resolver agir assim,é como se estivesse na escola e resolvesse não estudar a lição e cujo passar a frente,depende do aprendizado e da assimilação desse,enquanto não se dedicar com empenho a tarefa,qualquer que seja, irá repeti-la num loop ad aeternum,nem que para isso que tenha que consumir muitas vidas,passar tantas vezes quanto for necessário nesse estágio evolutivo.

Ouvimos hoje a história de uma família de  uma cidade bem próxima,cuja Ishtar ,em uma ato  sublime, nos dá mostra que  não são muitas as possibilidades que indicam como seguir a nossa trajetória e sim aquela senda única que nos coube na nossa travessia, que devemos nos submeter e suportar nessa nossa jornada, como fado herdado, para  fazer despertar o  ser latente e cumprir uma lei ,que é  por nós, mal compreendida,mas que está na nossa essência ,assim como o nosso DNA.Pois assim como na Lei de transmissão dos caracteres materiais ,está contido todo o nosso ser biológico,existe uma LEI que determina a complexidade do nosso ser espiritual.E tudo o que fizermos ou deixarmos de fazer nessa trajetória ,não irá alterar a rota ou a peregrinação que devemos cumprir.Seremos premiados se desempenharmos bem o nosso trabalho ou  punidos e atrasados no nosso desenvolvimento espiritual,se fizermos o contrário.
Se  sofremos uma  ação de ordem material,ela  nos traz dor e desconforto e imprime cicatrizes que debilita e pode  limitar os nossos movimentos.Da mesma forma, a dor que causamos ao nosso ser espiritual ,por atitudes débeis, são também causadores de máculas ,nódoas e cicatrizes no nosso espírito que vai  trazer limitações aos nossos movimentos espirituais e quem sabe, dependendo da gravidade sequelas,repetições à esse estágio evolutivo.
Mister se faz despertar o ser adormecido dentro dessa matéria biológica e deixar que ele facilite o nosso trânsito nessa dimensão ,cujo transporte se faz por esse ser material,arranjo de carbonos, que favorece o nosso deslocamento  nessa jornada,dando-nos uma falsa sensação de liberdade
A missão do nosso ser material,corpo,é conduzir com segurança o ser espiritual que ele transporta do berço a tumba,não é uma interação fácil,pois nem sempre o ser espiritual conduz as rédeas do ser biológico.E se esse resolve se comportar de maneira  atribulada,irresponsável e pensar que ELE é o chefe,só causará dor aos dois e irá se repetir a experiência até atingir esse propósito.

Se se estuda pouco ou se se age de maneira irresponsável na escola ,repetiremos de ano até sabermos bem a lição.Na escola espiritual da vida não é diferente,das nossas escolhas,dos nossos acertos depende a nosso evolução e o nosso “passar de ano” ou de subir mais uma degrau,serão sete? Não sabemos quantos são, mas quantos forem necessários nessa escalada, serão conquistados muito mais  com sapiência do que com impetuosidade.Pois não é com a força do nosso grito que  dirá que temos razão ou que  obteremos os melhores resultados ,no nosso aprendizado na escola,senão com dedicação e perseverança .
E o mais curioso nisso tudo é que nós iremos encontrar muitos obstáculos para transpor, e muitas vezes até, daqueles que estão mais próximos,dos nossos pares,é como se esses fossem  as chaves das portas  desse universo que precisamos transpor,pode ser até de propósito para testar o nosso amor, a nossa fé  e a  resistência nessa escalada evolutiva.
Às vezes, o elemento catalisador ou a chave está contido em outrem que devemos auxiliar ou conduzir: esse é o determinante nessa caminhada,a nossa prova final para passar de ano na escola.Depende do nosso empenho a obtenção dos melhores resultados.

A história que ouvimos é real e  contém três  elementos:A Chave , Anti-Chave e  SER-Evolutivo. A chave é o próprio elemento que deveremos conduzir ou ajudar ,é o nosso teste,a nossa prova final é ela que abrirá o portal ou o degrau da nossa ascensão.A anti-chave é o elemento que cria obstáculos e tenta nos fazer desistir,nos puxa para baixo,para nos manter eternamente como serviçal nesse plano,nesse limbo que nos aprisiona e nos causa dor.
A chave,na história, é a criança que depende do SER que a conduzirá ou a ajudará nas dificuldades(podendo ser a mãe ou o pai ou outrem)por ter nascido mutilada,sem as pernas.E se não tiver  um auxiliar,  mãe ou pai ou outrem ,ela não irá conseguir subsistir como ser material.Se a mãe  é o terceiro elemento que irá realizar a passagem,ela  terá como contrário o pai,a anti-chave, que fará tudo para que ela desista,mesmo sendo uma nobre missão,a ele não é perceptível ou aceita ou até quem sabe ele esteja programado para agir assim...

A história se passa numa pequena cidade,onde um casal tem uma filha que por ter nascido sem os membros inferiores,necessários a locomoção,inspira cuidados e  ajuda ,o elemento CRUCIAL  para que se cumpra o seu próprio fado.
A mãe assume a nobre a tarefa de ajudar ao pequeno ser a superar suas limitações físicas e fazer brilhar o seu talento interior inato,que poderia ser ofuscado ou redundar em fracasso se não tivesse essa ajuda.A Mãe em ter assumido tal atitude, desafiando as dificuldades impostas, por muitas limitações de ordem física como distâncias,falta de pecúnia,entraves da anti-chave(pai) que cumprindo o papel a si destinado, procurava dificultar ao máximo a ação dessa que se doava e se sacrificava para tal tarefa.Era como se alguém quisesse estudar para a prova e outrem apagasse a luz ou ligasse o som em toda altura e nada disso impedisse a determinação de prosseguir...
O pai,a anti-chave,muitas vezes eles,a família, iam  ao supermercado e ela,a criança, queria um sorvete ou um iogurte e ele simplesmente perguntava:-“tu tens dinheiro?  Então compre.Não tens? Então só olhe!”Tal atitude, antes de ser mesquinharia de ordem pecuniária,reflete  parte do propósito,com o escopo de revelar o ser interior dentro de cada um de nós.São as tais pedras do caminho.Sem as quais não poderíamos edificar nenhuma obra.São por assim dizer o “mal necessário” para fazer brilhar o que está opaco,revelar o que está oculto,fazer acordar o SER que dorme dentro de cada um,arrancando assim de uma letargia e sono profundo, onde estamos mergulhados.Como na história do gênio adormecido na lâmpada,depois que Aladim poliu a lâmpada ,o gênio se revelou,Um gênio dorme dentro de cada um e cabe a cada um polir o seu gênio para que ele se revele.

O Ser(Mãe) ,prescinde da chave(menina) ,que irá abrir a porta da dimensão que iremos transpor,é a pedra filosofal cujo toque irá revelar a nossa imortalidade ,é o toque de Midas que se revela nessa  transmutação alquímica que é a obra contida nessa pirâmide,  é enfim a união dos pólos opostos num triângulo em cujo vértice encontra a conjugação  final , resultando num triângulo evolutivo de escaleno ,no seu início,a isóscele na dualidade que permeia as nossas decisões , para Equilátero no estágio final de maturidade ascensional,a própria  perfeição.
A anti-chave(pai) rejeita qualquer tentativa de se adequar para ajudar ou facilitar a vida do Ser(Mãe) .O ser, pelo contrário, se propõe a qualquer sacrifício para tanto.A chave(filha) é conduzida até o momento cujo o seu propósito será abrir a porta  para transposição do Ser-Evolutivo que desde o início da jornada já galgou alguns degraus nessa ascensão .



A mãe,o ser,saiu do interior desse pequeno município,separou-se,contra vontade,  do pai que não queria vir apesar de todos os  argumentos e tentativas  e veio para sua sede do município,procurou emprego,colocou a filha para estudar e aproveitou e também concluiu os seus estudos.Levava a menina em cadeira de rodas para escola,para o lazer e ia as vezes ao supermercado, onde fazia as compras  e dentro das suas possibilidades, não se furtava de fazer um pequeno mimo e gentileza para filha ,ao dizer: -“Podes pegar um chocolate , um iogurte ou outra coisa se quiseres!” e as duas davam risadas com aquele cadeira de rodas servindo de carrinho de supermercado, com tantas sacolas.A mãe ,uma pequena criatura em estatura,mas revela-se em um grande ser interior,que antes de submeter-se e se acomodar, lutou com determinação de muitos braços,como os  deuses  do panteão indiano , para atingir seus objetivos.As vezes ela ia visitar o pai ,mas ele não se dispunha a abandonar as suas terras e ir morar na cidade juntos,preferia ficar ali,onde sempre esteve.
O pai, ficou lá no interior cuidando dos seus afazeres materiais,  presos as circunstâncias que até para ele é desconhecida,pois o seu ser espiritual está imerso em um sono letárgico,ele apenas cumpre um papel de ator coadjuvante, cujo desempenho   é  ser o anti-herói,é isso o que lhe cabe:desempenhar um papel que lhe foi reservado na história.Certo ou errado é parte do enredo,é parte do fado de cada um.

A  menina concluiu os seus estudos e o futuro lhe reserva,quem sabe ,algo de grandioso.A mãe merecidamente   revelou-se nessa evolução .Se ela mesmo pudesse fazer uma análise do antes e do depois,certamente poderia ver que a sua aura aumentou .Ela concluiu  como mérito o seu segundo grau escolar mas,certamente não é aí que  reside a sua grandeza:ela obteve o prêmio justo e perfeito que todos aspiram,que todos buscam mas bem pouco atingem.Ela revelou-se  SAPIENTE ,como Tamis , na suas escolhas e determinações, e como Ares ela usou  a FORÇA necessária para lutar e atingir  seus objetivos e tendo como resultado final a BELEZA   da sua ação que jamais será ofuscada .

JATeixeira

Post Scriptum:


Cenário: Apiúna-SC-
Personagens:vivos
Nomes:Anônimos

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

China :Uma história de amor II






Yu Xukang com o filho Xiao sobre os ombros


Na província de Sichuan ,na China, vive Yu Xukang, um homem de 40 anos que tem um filho,Xiao, com uma grave capacidade de locomoção, que o impossibilita de locomover-se por si mesmo. Abandonado pela  mulher há vários anos,Yu, não perdeu o ânimo e decidiu se dedicar com toda as suas forças  os cuidados necessário pra criar e educar o inteligente, mas  frágil filho: Xiao
Ele está hoje com 12 anos depende do pai para levá-lo a escola e buscá-lo de volta no final da tarde,enfim  ajudá-lo no que preciso for.

A escola onde Xiao estuda é muito distante da vila onde eles vivem e trabalha seu pai.Yu  faz tudo sozinho:carrega o filho em um cesto de vime preso a suas costas e faz a pé os 30 km do percurso para escola  que chova ou faça sol.
E embora Yu,seja homem pequeno, ele não mede esforços  para possibilitar o melhor para o seu filho Xiao,e nunca se atrasa ou deixar de trazer o filho que é um dos melhores alunos da sala.
Nos 9 anos,nesse trajeto, ele já percorreu 1600 km a pé irá continuar essa tarefa ,que é o sonho do filho:estudar até a universidade.

Uma certeza inequívoca fica dessa história é que a dedicação e carinho guiam e geram forças que,às vezes são incompreendidas,na realização  desses milagres,onde somente o  amor pode ser a resposta.

JATeixeira

Fonte:

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

A farsa do Desarmamento


"Si vis pacem para bellum",diziam os romanos.Aqueles que não têm como se defender tornam-se vulneráveis e presa fácil dos que estão armados.

Em um estudo do The Crime Prevention Research Center, Colorado), constatou-se  que 11,1 milhões de americanos  estão atualmente autorizados para portar armas, contra 4,5 milhões em 2007. O aumento de 146% na aquisição de armas,resultou em uma diminuição de 22% nos índices de homicídios violentos, que agora registra  taxas  semelhantes dos anos 60 e este índice é sete vezes menor que a taxa registrado no Brasil
Vejam que interessante o estudo da Universidade de Harvad..



guns_family_portrait.jpgOs recentes acontecimentos em Ottawa, Canadá, comprovam, pela enésima vez, que controle de armas serve apenas para deixar uma população pacífica ainda mais vulnerável. O desarmamento não apenas deixa uma população menos livre, como também a deixa menos segura.  E não existe liberdade individual se o indivíduo está proibido de se proteger contra eventuais ataques físicos.  Liberdade e autodefesa são conceitos totalmente indivisíveis.  Sem o segundo não há o primeiro.
Respeitar o direito de cada indivíduo poder ter armas de fogo ainda é a melhor política de segurança, como os fatos listados abaixo mostrarão.  Já restringir, ou até mesmo proibir, o direito de um indivíduo ter uma arma de fogo o deixa sem nenhuma defesa efetiva contra criminosos violentos ou contra um governo tirânico.
A Universidade de Harvard, que não tem nada de conservadora, divulgou recentemente um estudo que comprova que, quanto mais armas os indivíduos de uma nação têm, menor é a criminalidade.  Em outras palavras, há uma robusta correlação positiva entre mais armas e menos crimes.  Isso é exatamente o oposto do que a mídia quer nos fazer acreditar. 
Mas o fato é que tal correlação faz sentido, e o motivo é bem intuitivo: nenhum criminoso gostaria de levar um tiro. 
Se o governo de um país aprova um estatuto do desarmamento, o que ele realmente está fazendo é diminuindo o medo de criminosos levarem um tiro de cidadãos honestos e trabalhadores, e aumentando a confiança desses criminosos em saber que suas eventuais vítimas — que obedecem a lei — estão desarmadas.
A seguir, 20 fatos pouco conhecidos que comprovam que, ao redor do mundo, mais armas deixam uma população mais segura.
#1 Um estudo publicado pela Universidade de Harvard — Harvard Journal of Law & Public Policy — relata que países que têm mais armas tendem a ter menos crimes
#2 Ao longo dos últimos 20 anos, as vendas de armas dispararam nos EUA, mas os homicídios relacionados a armas de fogo caíram 39 por cento durante esse mesmo período.  Mais ainda: "outros crimes relacionados a armas de fogo" despencaram 69%.
#3 Ainda segundo o estudo da Harvard, os nove países europeus que apresentam a menor taxa de posse de armas apresentam taxas de homicídios que, em conjunto, são três vezes maiores do que as dos outro nove países europeus que apresentam a maior taxa de posse de armas.
#4 Quase todas as chacinas cometidas por indivíduos desajustados nos Estados Unidos desde 1950 ocorreram em estados que possuem rígidas leis de controle de armas.

Com uma única exceção, todos os assassinatos em massa cometidos nos EUA desde 1950 ocorreram em locais em que os cidadãos são proibidos de portarem armas.  Já a Europa, não obstante sua rígida política de controle de armas, apresentou três dos seis piores episódios de chacinas em escolas.
#5 Os EUA são o país número 1 do mundo em termos de posse de armas per capita, mas estão apenas na 28ª posição mundial em termos de homicídios cometidos por armas de fogo para cada 100.000 pessoas.
#6 A taxa de crimes violentos nos EUA era de 757,7 por 100.000 pessoas em 1992.  Já em 2011, ela despencou para 386,3 por 100.000 pessoas.  Durante esse mesmo período, a taxa de homicídios caiu de 9,3 por 100.000 para 4,7 por 100.000.  E, também durante esse período, como já dito acima, as vendas de armas dispararam.
#7 A cada ano, aproximadamente 200.000 mulheres nos EUA utilizam armas de fogo para se proteger de crimes sexuais.
#8 Em termos gerais, as armas de fogo são utilizadas com uma frequência 80 vezes maior para impedir crimes do que para tirar vidas.
#9 O número de fatalidades involuntárias causadas por armas de fogo caiu 58% entre 1991 e 2011.
#10 Apesar da extremamente rígida lei desarmamentista em vigor no Reino Unido, sua taxa de crimes violentos é aproximadamente 4 vezes superior à dos EUA.  Em 2009, houve 2.034 crimes violentos para cada 100.000 habitantes do Reino Unido.  Naquele mesmo ano, houve apenas 466 crimes violentos para cada 100.000 habitantes nos EUA.
#11 O Reino Unido apresenta aproximadamente 125% mais vítimas de estupro por 100.000 pessoas a cada ano do que os EUA.
#12 Anualmente, o Reino Unido tem 133% mais vítimas de assaltos e de outras agressões físicas por 100.000 habitantes do que os EUA.
#13 O Reino Unido apresenta a quarta maior taxa de arrombamentos e invasões de residências de toda a União Europeia.
#14 O Reino Unido apresenta a segunda maior taxa de criminalidade de toda a União Europeia.
#15 Na Austrália, os homicídios cometidos por armas de fogo aumentaram 19% e os assaltos a mão armada aumentaram 69% após o governo instituir o desarmamento da população.
#16 A cidade de Chicago havia aprovado uma das mais rígidas leis de controle de armas dos EUA.  O que houve com a criminalidade?  A taxa de homicídios foi 17% maior em 2012 em relação a 2011, e Chicago passou a ser considerada a "mais mortífera dentre as cidades globais".  Inacreditavelmente, no ano de 2012, a quantidade de homicídios em Chicago foi aproximadamente igual à quantidade de homicídios ocorrida em todo o Japão.
#17 Após essa catástrofe, a cidade de Chicago recuou e, no início de 2014, voltou a permitir que seus cidadãos andassem armados.  Eis as consequências:  o número de roubos caiu 20%; o número de arrombamentos caiu também 20%; o de furto de veículos caiu 26%; e, já no primeiro semestre, a taxa de homicídios da cidade recuou para o menor nível dos últimos 56 anos.
#18 Após a cidade de Kennesaw, no estado americano da Geórgia, ter aprovado uma lei que obrigava cada casa a ter uma arma, a taxa de criminalidade caiu mais de 50% ao longo dos 23 anos seguintes.  A taxa de arrombamentos e invasões de domicílios despencou incríveis 89%.
#19 Os governos ao redor do mundo chacinaram mais de 170 milhões de seus próprios cidadãos durante o século XX (Stalin, Hitler, Mao Tsé-Tung, Pol Pot etc.).  A esmagadora maioria desses cidadãos havia sido desarmada por esses mesmos governos antes de serem assassinados.
#20 No Brasil, 10 anos após a aprovação do estatuto do desarmamento — considerado um dos mais rígidos do mundo —, o comércio legal de armas de fogo caiu 90%.  Mas as mortes por armas de fogo aumentaram 346% ao longo dos últimos 30 anos.  Com quase 60 mil homicídios por ano, o Brasil já é, em números absolutos, o país em que mais se mata.
Quantas dessas notícias você já viu na mídia convencional, que dá voz apenas a desarmamentistas?
Armas são objetos inanimados, tão inanimados quanto facas, tesouras e pedras.  Costumes, tradições, valores morais e regras de etiqueta — e não leis e regulações estatais — são o que fazem uma sociedade ser civilizada.  Restrições sobre a posse de objetos inanimados não irão gerar civilização.
Essas normas comportamentais — as quais são transmitidas pelo exemplo familiar, por palavras e também por ensinamentos religiosos — representam todo um conjunto de sabedoria refinado por anos de experiência, por processos de tentativa e erro, e pela busca daquilo que funciona.  O benefício de se ter costumes, tradições e valores morais regulando o comportamento — em vez de atribuir essa função ao governo — é que as pessoas passam a se comportar eticamente mesmo quando não há ninguém vigiando.  Em outras palavras, é a moralidade a primeira linha de defesa de uma sociedade contra comportamentos bárbaros.
No entanto, em vez de se concentrar naquilo que funciona, os progressistas desarmamentistas querem substituir moral e ética por palavras bonitas e por leis de fácil apelo. 
Por último, vale um raciocínio lógico: quem é a favor do desarmamento não é contra armas, pois as armas serão necessárias para se desarmar os cidadãos.  Logo, um desarmamentista nunca será contra armas — afinal, ele quer que a polícia utilize armas para confiscar as armas dos cidadãos. 
Consequentemente, um desarmamentista é necessariamente a favor de armas.  Mas ele quer que apenas o governo (que, obviamente, é composto por pessoas honestas, confiáveis, morais e virtuosas) tenha armas. 
Conclusão: nunca existiu e nem nunca existirá um genuíno 'desarmamento'.  Existe apenas armamento centralizado nas mãos de uma pequena elite política e dos burocratas fardados que protegem os interesses dessa elite.

FONTE
http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1974

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Vinho IV




L'anima del vino
Dentro le bottiglie cantava una sera l'anima del vino:
<< Uomo, caro diseredato, eccoti un canto pieno
di luce e di fraternità da questa prigione
di vetro e da sotto le vermiglie ceralacche!

So quanta pena, quanto sudore e quanto sole
cocente servono, sulla collina ardente,
per mettermi al mondo e donarmi l'anima;
ma non sarò ingrato nè malefico,

perchè sento una gioia immensa quando scendo
giù per la gola d'un uomo affranto di fatica,
e il suo caldo petto è una dolce tomba
dove sto meglio che nelle mie fredde cantine.

Senti come echeggiano i ritornelli delle domeniche?
Senti come bisbiglia la speranza nel mio seno palpitante?
Vedrai come mi esalterai e sarai contento
coi gomiti sul tavolo e le maniche rimboccate!

Come accenderò lo sguardo della tua donna rapita!
Come ridarò a tuo figlio la sua forza e i suoi colori!
Come sarò per quell'esile atleta della vita
l'olio che tempra i muscoli dei lottatori!

Cadrò in te, ambrosia vegetale,
prezioso grano sparso dal Seminatore eterno,
perchè dal nostro amore nasca la poesia
che come un raro fiore s'alzerà verso Dio!>>

CHANTANGO-BAUDELAIRE / L'ANIMA DEL VINO

Ode ao Vinho

 Yoga para os amantes do vinho




Vinho III