terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Jogo do Vaso de Argila.


Flash da Infância

Na Aurora”da minha vida tinha um vizinho Sr Lucena,dono de uma das farmácias existentes na cidade.Enquanto a mulher trabalhava, ele “aprontava”cada uma...inimaginável para os dias de hoje.
A rua de chão batido,era uma avenida, com uma ala de figueiras grandes e exuberantes no meio; e ali sob aquelas figueiras ,cada dia,ele cada dia inventava um jogo novo.Lembro-me de dois destes .No primeiro, ele procurava jogadores apostadores, naturalmente. Ele dependurava em uma figueira ,um grande vaso de argila onde prendia,as vezes, algumas pombas domésticas,outras vezes canários descartados ou feridos das suas intermináveis brigas.Nos desafiantes ou apostadores ele atava uma venda aos olhos e entregava-lhes um bastão com a finalidade de quebrar o vaso e libertar as pombas ou os canários. Aos ganhadores do desafio eram concedido o valor das apostas. Raramente ele perdia.
Parecia fácil ao apostadores,só parecia,pois era bastante difícil se localizar vendado e depois de muitos giros.Ele atava uma venda e executava muitas voltas e manobras,dentro de um grande círculo, para dificultar o jogo .Quando o desafiante parecia quase tonto,ele dava início ao jogo. Em seguida, ele mandava acertar o vaso. E o jogador sob os risos e gritos da platéia de curiosos, na grande maioria crianças. O jogador alçava inutilmente aquele bastão ,na vã tentativa de quebrar o vaso.Desferia muitos golpes tentando acertar o tal vaso e insistia até quase a exaustão e desistia sobrando para o dono do espetáculo o dinheiro das apostas e os desafios permaneciam, para os jogadores incansáveis e dispostos a recuperar o dinheiro perdido.Era divertido e incomum.Cada dia ele vinha com um novo jogo e sempre saía ganhando.
Jogo do "Acerte a cabeça do Galo"
Quando os viciados jogadores se cansavam do “jogo do vaso”,ele inventava uma nova modalidade.Lembro-me que ele em algumas ocasiões usava um galo, das suas rinhas,já debilitado e que não brigava mais .Ele cavava um pequeno buraco e enterrava o galo,deixando unicamente a cabeça de fora e de igual forma e promovia o espetáculo atraindo apostadores e grandes apostas .Onde o desafiante ou jogador devia acertar o galo.Mas,depois de muitas voltas e giro sobre seu próprio eixo o jogador,já meio tonto mal permanecia de pé ,quanto mais segurar um bastão pesado e vendado acertar um alvo ,como a cabeça de um galo.
Pode parecer cruel ao olhos de hoje mas era divertido, nos dias da minha infância.
JATeixeira

2 comentários:

Michelle Castro disse...

Olá,
Boa definição: não resistiu a ferrugem do tempo.
A propósito, como vc chegou até o meu blog? Nos conhecemos?
Abraços,
Michelle

JATeixeira disse...

Carissima !
Conhecer é uma abstração...,quando conhecemos de fato alguém? Pode ser que nas entrelinhas do que escreves esteja o teu ego verdadeiro ou presumivel,e quanto mais escreves mais pistas deixas de ti e isso nos leva a te conhecer...(?)
Pois assim como os traços de nossa caligrafia nos identifica ,o que escrevemos também... A NET tem esse cruzamentos,becos e vielas que muitas vezes os misantropos de hoje descobrem... e as vezes até deixam algumas pegadas,quando resolvem deixar algum comentário...
Tinha feito um comentário no teu post anterior e postei alguma coisa sobre isso,veja o Rio e o Mar
( Michelle Castro disse...

Olá.
Belo complemento ao texto que publiquei. Obrigada :)
Michelle 2 de janeiro de 2010 )

Santè !
JAT