quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Migração e Migrantes


Vimos dias desses, um blog retratar aqueles que não deram certo nas mudanças que fizeram em suas vidas,nas cidades em que escolheram para viver e nos risco das migrações a que se submeteram.Na realidade na história humana ,o homem só deu certo depois da fixação.No tempo do nomadismo,eles sempre enfrentaram muitas dificuldades.Talvez, ainda ele tenha a alma nômade e sinta um impulso natural e irresistível para aventurar-se ao desconhecido,mesmo quando a vida que leva é estável e tranquila; por outro lado, hoje as informações hollywoodianas do “modus vivendi que não é aquele que se vive, é uma mera fantasia;parece que entorpece,entontece as pessoas e quais zumbis são seduzidos pelo canto das sereias modernas, e como não estão amarradas como Odisseu, cedem as esses apelos maquiavélicos que os arrastam com promessas mil e se perdem:perdem a si mesmos,suas almas,suas vidas e as esperanças dos seus filhos:a geração seguinte,nos esgotos das cidades grandes.“Existem migrações internas em todos os lugares e,muitas vezes,esses pessoas que se aventuram se dão mal e forma um submundo deplorável,onde vivem:guetos,vielas,favelas,prostituição,drogas,etc,etc.é interminável a lista. Costumeiramente, vemos os noticiários se ocuparem de relatar as mais diversas atividades nesse sub-mundo.O assistencialismo público(nas bolsas esmolas) e privado oferecem abrigo,roupas e por aí afora.Pesquisas de universidades fazem entrevistas tentando determinar o fluxo de migração e os sonhos desfeitos dessa gente.Poucos ou talvez nenhuma entrevista ou entrevistador ,sociólogo de plantão proponha uma alternativa,como inverter o fluxo e ajudar a esses desencontrados encontrar o caminho de volta e encontrarem a si mesmos, perdidos nessas vielas da vida e dos sonhos televisivos,glamurizados, desfeitos.

Esses pesquisadores,também, nunca pesquisam os que deram certos, pois nesses fluxos, nem sempre todos se perdem,alguns se dão muito bem.Esses nunca são retratados nessas reportagens,afinal não causariam nenhum impacto,escândalo,piedade.Os institutos e pesquisas sociais se “espojam” exatamente na lama dos fracassados,dos que abandonaram as suas cidades fugindo do que ali havia,em vez de ficar , lutar e tentar trazer,para o esse seu mundo, o que lhes falta.Fugiram da roça na esperança de encontrar um mundo melhor na cidade grande.Ouvem falar dos benefícios sociais,dos empregos bem sucedidos ,das casas com eletricidade,água encanada,etc,etc. Nunca lhes dizem que esse e padrão têm,às vezes, um preço muito alto à pagar.E que quando não conseguem, entre lágrimas e desespero,são poucos os que voltam pro seu próprio mundo e tentam com o que ali deixaram se reconstruir.Preferem amargar a derrota longe dos olhos conhecidos e engrossa as estatísticas dos infortúnios, dos milhares de migrantes que perdem orgulho,dignidade e honra e passam a viver de mendicância entre outras mazelas sociais.As vezes se penitenciam e acham que foram abandonados por Deus e acabam virando adeptos fanáticos de determinadas seitas que os ajudam,inicialmente,de olha na sua seara.
O curioso é que as estatísticas e pesquisadores sociais nunca se lembram dos que deram certos e qual o segredo pra isso. O bem sucedido nunca é pesquisado para descobrir o que fizeram de diferente para prosperar ,quando tantos fracassam.Se esporadicamente existe algum estudo,ele não é divulgado, nem chegam a esses sempre adeptos dos sonhos encantados.Além de mostrarem,senão muito raramente,os que deram certo no seu próprio mundo e não fugiram em busca da miragem do sucesso fácil.

A maioria das pessoas retratadas estão pedindo socorro, não unicamente em Blumenau,conforme denuncia o blog, o outro lado desconhecida e faminto.A pergunta é :por que em alguma cidades pessoas que chegaram em igualdade de condições prosperaram e outras estão assim,como as expostas,na reportagem,e vida de desesperança e desespero ? Será que as oportunidades são iguais ?Se são, por que uns crescem e outros apenas subsistem? E o número de filhos?Quanto mais humildes,mais filhos. É responsável agir assim ?A culpa é de quem, individual ou coletiva? Os governantes podem fazer alguma coisa ou só se utilizam desses às vésperas de eleições???Por que eles são tratados como de segunda ou sei lá que classe(Quem criou essa maldita classificação de classes sociais ??)se pagam os mesmos impostos(embora embutidos)em tudo o que é feito ??? Será que vai explodir por aqui movimentos como os que ora ocorrem, no mundo árabe???Os que nos deram origem, aqui e nas Américas,exceto as populações nativas que também eram escravizadas entre as civilizações mais desenvolvidas e até sacrificadas em rituais sinistros aos seus deuses, fugiram da Europa por causa da exploração e também os exploradores cruzaram oceano atrás destas “bestas”que os carregam nas costas,até hoje
Acreditamos que o único sistema possível e viável é o investimento máximo na escolarização de um povo, permitindo assim, que esses saibam escolher melhor.E segundo jamais,mas jamais mesmo,embora esteja dando certo é a repetição do governante .É preciso que exista um plano de ascensão política hierarquizada,onde o vereador seja vereador uma única vez,evolua para prefeito, se for a vontade,conforme seu desempenho,do povo e dali ,nas mesma condições a deputado,governador,senador,presidente da República e ponto final. O poder corrompe,distancia e altera as pessoas que os detém,mesmo quando já não tem mais poder.
JATeixeira

2 comentários:

Luciana disse...

"Poucos ou talvez nenhuma entrevista ou entrevistador ,sociólogo de plantão proponha uma alternativa,como inverter o fluxo e ajudarem a esses desencontrados encontrar o caminho de volta e encontrarem a si mesmos, perdidos nessas vielas da vida e dos sonhos televisivos,glamurizados, desfeitos."
Muitos estudiosos fazem propostas diante do que encontram na realidade, mas cabe a quem tem os instrumentos implementar as mudanças. Quem tem esses instrumentos hoje são os políticos. Temos que cobrar deles. Tem muita proposta política arquivada na USP, por exemplo, porque quem poderia pôr em prática não tem interesse. Agora, não dá pra responsabilizar os pesquisadores pela implementação. Eles fornecem os dados pra intervenção. Quem tem esse papel, os instrumentos e é muito bem pago pra isso são os representantes políticos.
"Esses pesquisadores,também, nunca pesquisam os que deram certos, pois nesses fluxos, nem sempre todos se perdem,alguns se dão muito bem." Proponha essa pesquisa para um instituto financiador. Culpar "ninguém", por que "ninguém fez" não adianta nada.
"Esses nunca são retratados nessas reportagens,afinal não causariam nenhum impacto,escândalo,piedade" O problema é não haver pesquisa ou não haver divulgação? É a escolha de escopo dos pesquisadores ou a pauta da mídia?
"Os institutos e pesquisas sociais se “espojam” exatamente na lama dos fracassados,dos que abandonaram as suas cidades fugindo do que ali havia,em vez de ficar , lutar e tentar trazer,para o esse seu mundo, o que lhes falta." Você preferiria que não houvesse pesquisa sobre isso? Acho que a sua revolta deveria ser com os políticos, que têm papel e instrumentos pra interferir nisso, não com os pesquisadores, cujo papel é fornecer dados sobre a realidade a ser tratada.

JATeixeira disse...

Começando pelo final. Não temos nenhum revolta,por dois simples motivos.1ºNão me apoio em absolutamente nada do que dizem sociólogos e pesquisadores para pensar o que penso,para escrever o que escrevo, para orientar meu caminho e conduta.E 2º o que e foi me dado de melhor, na vida, pelos os meus mestres e que forma o meu arcabouço, foi me ensinar a pensar e procurar me distanciar de toda e qualquer vanidade,sustentáculo pueril dos confetes acadêmicos.São apenas alguns centímetros de massa cinzenta que aponta o caminho onde quer que vá,me distanciando de todas as direções onde estejam os fluxos e tendências.Se eu puder ajudar a um só, estarei feliz por isso;e não rio quando vejo os desencontrados ou lhes aponto o dedo na casca de banana,causa da sua queda, isso eles já sabem,ao contrário lhes dou a mão e os ajudo a levantar.
Quanto aos políticos,eles nada mais são do que reflexo e alma do seu próprio povo ,afinal eles não são geração espontânea.Mas,eles se apóiam ,assim como fazem a mídia,no que escrevem os formadores de opiniões,que por outro lado escreve querendo aplausos ou o que é dito para escrever:é um círculo estéril e vicioso.Raramente alguém escreve com discernimento próprio,independente.As matérias devem agradar ou desagradar mas são pagas de alguma forma,depende do interesse envolvido.Seja pelo jornal que publica,ou pela a TV que a divulga ou o Instituto que a propõe.A pesquisa está para o problema assim como a denúncia está para solução:inócua e passiva.
Temos que cobrar dos políticos? Isto é risível.O que poderíamos cobrar de um Tiririca?
Não existe mágica Existe escola. Duvidamos que se o grau de escolarização e responsabilidade fosse outro,esses seriam escolhidos. Mas,como disse Balzac “Em uma época em que todos são corcundas de tantos vícios,o normal torna-se monstruoso”JAT