quinta-feira, 1 de outubro de 2009

STTL Sit tibi terra levis Amigo Lenzi



 

Essas ,singulae litteras,  eram as letras que  estavam presentes nas lápides das tumbas do antigos romanos e ipsis litteris  significa: Sit tibi terra levis (seja sobre ti a terra leve).Significa dizer que não devemos injuriar aqueles que não podem defender-se.Que não devemos macular a memória daquele que esteve entre nós,e como nós,comeu,viveu amou,pecou.Teve seus vícios e virtudes .Se não decantamos as virtudes,por que enumerar os vícios???Então STTL, à todos aqueles que  se foram ...

 

Preparando hoje cedo o amargo matinal, ouço o sabiá entre o ruído da chuva que cai ,a saudar o dia, na sua prece rotineira . Cevo o mate, enquanto o ruído da chaleira me avisa que água está pronta para me acompanhar.  Erva Jacutinga há muito que não me lembrava do seu sabor. Guardo entra as papilas que evoca a memória saudosa do meu amigo Lenzi,  onde comprava tal erva, de quem guardo boas lembranças das nossas conversas:Do homem da gaita que já sabia tocar a “bravasca” e dos seus quilos de balas pra convidar as “Paulas” pra bater “botuca” e que não suportava almoço com”fruitas”,entra muitas outras boas histórias que de repente desfilam, como num caleidoscópio,diante de mim. E entre essas imagens ali formadas  o vejo rindo e recontando essas histórias  com seu jeito faceiro e  parecendo se lembrar de cada detalhe que relatava,pois as repetia sempre sem alterar uma vírgula.

Uma ocasião ele mandou o escritório de contabilidade preencher um recibo, e “ela” cobrou  o preenchimento mais caro do que o bloco inteiro. Ele ficou transtornado com aquilo e quando precisou novamente de um recibo,não teve dúvidas, comprou um bloco e mandou pra “ela”.Lembro da maneira de como limpava as cebolas,uma a uma, removias as folhas secas e a má aparência deixando-as com aspecto agradável  e organizado.Assim procedia com todos as frutas e hortaliças.

 

Em um outro momento, entraram dois “pomas” na sua Loja, talvez de Pomerode, não sei. Mas ele  estava indignado, pois eles só falavam alemão entre si.Ele se dirigia a eles em alemão ,mas esses só respondiam em português .Ele me dizia:”-Tu vê que gente mais estúpido!” Eles acham porque sou italiano,não falam alemão comigo.Outra vez,estávamos ali na loja,num final de tarde,ele tomava um pinguinha,enquanto atendia aos últimos fregueses,chegou um “piazote” de mais ou menos um 8 anos e veio buscar leite.O leite custava $2,00.O “piá” só tinha $ 1,80,ele não entregou o leite.No momento, tanto eu como o Faustino,pensamos em complementar o que faltava,mas não queríamos interferir e nem conhecíamos aquele “piá”,mas entre nós achávamos que era no mínimo deselegante tal atitude, não ter entregue um litro de LEITE, por faltar tão ínfima quantia. Porém ,o que ele nos explicou transcende essa lógica solidária ,imediata e sem raciocínio de quem analisa unicamente o fato. Ele nos disse :” vocês podem pensar que eu fui mesquinho,diante de quantia tão pequena, mas não foi isso o que ocorreu. A mãe, deu para ele a quantia exata e ele usou parte dela para outro fim.O que fiz foi lhe dar uma aula de educação e bons modos  que podem fazer a “diferença” em sua vida.Se eu não tivesse procedido assim,ele amanhã viria com menos,não só aqui, mas em qualquer outro lugar.Dessa forma,nada mais estaria fazendo senão corrompendo-o e alimentando um erro que só tenderia aumentar e que o acompanharia,ad infinito” Diante da sapiência da explicação eu silencio e aprendo.

Por isso, meu amigo,acho que as pessoas são muitas vezes apressadas em julgar as ações dos outros sem saberem o que as levou a  agirem assim.E é por essa razão que vejo no STTL um atestado óbvio de que não podemos julgar aos que não estão aqui para explicar as suas ações.

2 comentários:

Thaís disse...

Acabamos de ler o texto muito bem escrito. Realmente é como se estivesse passando um filme em minha mente.
A Thaís e eu ficamos muito emocionadas e com saudades do nosso "Opa"!
Beijos e Abraços,
Motta & Thaís!

JATeixeira disse...

Motta&Thaís,
Nos lembramos,com saudade e carinho de muitas histórias ouvidas e vivenciadas diuturnamente na nossa convivência com ele.Foi um grande grande amigo e contador de histórias e eu adoro ouvir boas histórias.
Obrigado,
JAT